AS PROVAS EM MEIO ELETRÔNICO

O direito brasileiro, como do mundo inteiro, precisa se adaptar as novidades advindas da evolução das sociedades, para que consiga resolver os novos conflitos que outrora não existiam. 

Uma das mais atuais adaptações que o direito tem enfrentado diz respeito a validade das provas, produzidas ou reproduzidas através dos meios eletrônicos, tais como, contratos celebrados exclusivamente de forma eletrônica, compra e venda pela internet, pagamento online e muitas outras modalidades de relações virtuais. 

O principal motivo desta adaptação é a grande insegurança que existe no mundo online, haja vista a grande velocidade com que as informações são transmitidas, recebidas, divulgadas e disponibilizadas, além de desaparecerem com a mesma rapidez que aparecem.

O Código Civil possui previsão apenas em relação a validade daqueles documentos reproduzidos de forma eletrônica, conforme a disposição de seu artigo 225, porém, até algum tempo atrás não existia qualquer referência em relação aos documentos produzidos desta forma. 

Diante disso, em 2006 passou a vigorar a lei 11.419, que trata da informatização do processo judicial, e trouxe em seu artigo 11 a confirmação da validade dos documentos produzidos de forma eletrônica, garantindo que este meio cada vez mais comum de produção de documentos, pudesse ser devidamente utilizado como meio de prova em demandas judicias.

Para tanto, é necessário que seja possível a verificação de origem e do signatário deste documento. 

Entretanto, como forma de gerar confiabilidade, o Novo Código de Processo Civil em seu artigo 384 e seu parágrafo único, deu notoriedade a Ata Notarial, que já existia a um bom tempo, mas que com a referida previsão passou a ser muito mais utilizada. 

Através da Ata Notarial é possível conferir uma maior formalidade e segurança as provas produzidas de forma eletrônica, pois ela é capaz de dar a documentos eletrônicos a mesma validade de uma Escritura Pública, além de garantir a existência de determinado fato, que, como dito, em um curto espaço de tempo existe e deixa de existir. 

Desse modo, verifica-se que o direito brasileiro, mesmo em se tratando de um tema tão atual, já possui formas de trazer segurança jurídica para estas relações que crescem a cada dia.

João Alci Oliveira Padilha – Bancário e Financeiro, Cível, Comercial - Curitiba/PR

Luiz Gustavo Pimentel Alves de Souza – Estudante de Direito - Curitiba/PR

Artigos recentes

22.Mai.2018

Pluriparentalidade

O conceito de família tem se transformado ao longo dos últimos anos. Por muito tempo adotou-se o modelo de pai, mãe e filhos como padrão, contudo, os grandes números de divórcios, uniões estáveis, pais solteiros, inseminações artificiais e tantos outros, acabaram trazendo novas figuras familiares. Por exemplo, hoje é possível encontrar [...]

Leia mais

27.Abr.2018

ACORDOS INTERNACIONAIS SUBSCRITOS PELO BRASIL PREVALECEM AO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR NAS RELAÇÕES DE CONSUMO EM TRANSPORTE INTERNACIONAL DE PASSAGEIROS

Por muito tempo residiu a discussão acerca da prevalência, ou não, das regras do Código de Defesa do Consumidor sobre os acordos internacionais subscritos pelo Brasil, em especial, sobre as convenções de Varsóvia e Montreal que versam a respeito do transporte internacional de passageiros. O Supremo Tribunal Federal, em julgamento plenário [...]

Leia mais
Notícias recentes

01.Jun.2017

MP 783/2017 - Programa Especial de Regularização Tributária

A nova medida provisória publicada na noite de quarta-feira em edição extra do “Diário Oficial”, trouxe, finalmente, um novo programa para que os contribuintes em débito com a União possam regularizar sua situação. Trata-se do Programa Especial de Regularização Tributária – PERT que prevê descontos que podem chegar a até 90% [...]

Leia mais

16.Mar.2017

INCLUSÃO DO ICMS NA BASE DE CÁLCULO DO PIS/COFINS É INCONSTITUCIONAL

Por maioria de votos, o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), em sessão nesta quarta-feira (15), decidiu que o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) não integra a base de cálculo das contribuições para o Programa de Integração Social (PIS) e a Contribuição para o Financiamento da Seguridade [...]

Leia mais
oconsultor
Quer receber nosso informativo?
Digite seu nome e e-mail